Conta de luz está cara? Entenda o novo reajuste da Aneel

Infelizmente, a conta de luz mais cara não é mais uma surpresa para os brasileiros, mas dessa vez, o susto veio.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) acaba de anunciar o novo reajuste das bandeiras tarifárias. 

Na verdade, esse reajuste ocorre todos os anos; porém, em 2021 ele ficou maior – a tarifa da bandeira vermelha patamar 2, por exemplo, subiu 52%.

Vamos entender melhor?

O novo reajuste da Aneel em 2021

Já explicamos aqui no blog sobre as bandeiras tarifárias. São custos variáveis que aparecem na conta de luz para, segundo a Aneel, equilibrar as despesas que as distribuidoras têm para a aquisição de energia.

Se em determinada época, o custo de geração de energia ficou mais caro – por conta de fatores como a estiagem, que reduz os reservatórios de água nas hidrelétricas – as bandeiras mais caras são acionadas, como a bandeira vermelha.  

O reajuste da Aneel nas bandeiras tarifárias ocorre praticamente todos os anos e, desde julho de 2021, está em vigor o mais atual.

Eis os novos valores:

  • Bandeira amarela: subiu de R$ 1,34 para R$ 1,87 a cada 100 kWh (quilowatt-hora).
  • Bandeira vermelha patamar 1: caiu de R$ 4,16 para R$ 3,97 a cada 100 kWh.
  • Bandeira vermelha patamar 2: subiu de R$ 6,24 para R$ 9,49 a cada 100 kWh.

É justamente o patamar 2 da bandeira vermelha, que teve um aumento de 52%, que está previsto para continuar em vigor na conta de luz até o mês de novembro.

Mas por quê?

Segundo o Ministério das Minas e Energia, o país passa pela pior crise hídrica dos últimos 90 anos. A estiagem e a baixa no volume dos reservatórios de água provocaram o acionamento das termelétricas, que têm o custo mais alto de produção de energia.  

E todos esses meses utilizando as termelétricas vai gerar um custo de R$ 9 bilhões aos consumidores brasileiros, segundo dados divulgados pelo portal de notícias G1.

Ainda de acordo com o portal, a tendência é que a conta de luz fique ainda mais cara ainda neste 2021, já que estamos passando pelo período tradicional de seca. O aumento deve ser de mais 7% até o final do ano e, em 2022, de pelo menos mais 5%.

Como evitar a conta de luz mais cara?

De duas maneiras. A primeira delas é cortar despesas, algo que os brasileiros conhecem bem.

Na prática, isso quer dizer adotar medidas de economia de energia para que todo esse reajuste não seja tão sentido em seu bolso, tais como:

  • evitar utilizar o ar-condicionado por muito tempo e com a temperatura muito baixa;
  • retirar os eletrodomésticos e eletrônicos da tomada quando não estiverem sendo utilizados;
  • diminuir o tempo do banho;
  • evitar utilizar a lavadora/secadora de roupas muitos dias na semana.

Mas há outra alternativa – e nela, você não precisa abrir mão do seu conforto de poder utilizar seus aparelhos elétricos.

Sim, estamos falando da energia solar!

Com o sistema fotovoltaico, a sua conta de luz pode ser reduzida em até 95% e, portanto, você nem vai sentir os reajustes das bandeiras tarifárias. 

A energia solar é uma tecnologia que produz eletricidade de forma limpa, renovável e com outras vantagens interessantes. 

Por exemplo: sempre que o sistema produzir mais energia do que o imóvel utilizou no período, você pode obter créditos em Kwh junto à concessionária. Isso se chama Net Metering

Gostou de saber que existe alternativa a esses constantes reajustes? Com o sistema fotovoltaico, você tem mais liberdade para produzir e consumir uma energia realmente sustentável.

No próximo post, vamos explicar as vantagens da utilização da energia solar a longo prazo